Congelamento de óvulos

O congelamento de óvulos é ideal para preservar a fertilidade feminina. Ele é recomendado para mulheres que terão sua fertilidade afetada por algum tratamento, como uma quimioterapia, por exemplo, ou para mulheres que não pretendem ter filhos na sua idade mais fértil. Com o congelamento, conservamos os óvulos nas condições de quando foram coletados, preservando a fertilidade até o dia em que a mulher decidir ter um filho.

Atualmente, tem sido comum encontrar mulheres que, apesar de estarem em idade fértil, não têm a maternidade como sua prioridade. O papel feminino na sociedade mudou, porém suas funções biológicas e reprodutivas não acompanharam o desejo cada vez mais comum por uma gravidez tardia.

A fertilidade feminina está altamente associada à idade da mulher. Enquanto na sua primeira menstruação as mulheres têm cerca de 500 mil óvulos, aos 42 anos são apenas 25 mil. Estes óvulos sofrem com as ações ambientais e quanto mais velhos menor é a sua fertilidade. Aos 40 anos de idade, a mulher conta com apenas 8% da sua capacidade reprodutiva.

Alguns tratamentos, como a quimioterapia e a radioterapia, também podem afetar a fertilidade. Nesses casos e na gravidez tardia, o congelamento de óvulos se apresenta como uma ótima alternativa.  

O procedimento para o congelamento dos óvulos se inicia com o ciclo menstrual. No 3º dia após a menstruação realizamos um tratamento com hormônios que estimulam a ovulação. Por volta do 12º dia, a paciente é sedada e os óvulos são coletados diretamente do ovário. Eles são então selecionados, maturados e preservados em nitrogênio líquido.

Os óvulos mantém a fertilidade do momento em que foram coletados, por isso, recomenda-se que o procedimento seja feito antes dos 35 anos, quando ainda possuem boa capacidade reprodutiva. Eles podem ser preservados por tempo indeterminado, até que a mulher decida que é hora de gerar um filho.